sábado, 22 de setembro de 2012

“...Guia-me para que apalpe as colunas em que se sustém a casa, para que me encoste a elas.” Juízes 16:26

 
 
Muitas vezes somos colocados como colunas de algum trabalho, ministério, essa é uma promessa do Senhor para aqueles que o servem, mas uma coisa precisamos saber detectar, se estamos totalmente na dependência dEle, ou não; se estamos sabendo discernir o tempo e as estações do tratar dEle, ou não. Pois somente Ele sonda e conhece todo nosso íntimo, perscruta o mais interior do nosso ser, nossas lacunas, nossas carências, nosso ponto fraco.

Imaginemos uma construção em que é sustentada por colunas, todas muito bem firmes, mas se uma delas está comprometida, abalada, trincada, esse é o ponto fraco de toda a construção. O alicerce pode ter sido bem feito, firmado, mas se uma das colunas de sustentação tem algum ponto fraco, tudo pode ruir.
Assim é o ser humano, podemos ser alicerçados e bem firmes na fé, no amor do Senhor, mas se não firmarmos na Palavra de Deus podemos desmoronar.

A pedra angular, principal, pedra de esquina é Jesus, mas as colunas de sustentação é a Palavra de Deus. A bíblia diz que quem é de Deus, ouve a Palavra de Deus, então precisamos almejar, desejar de todo coração prosseguir em conhecer essa Palavra. Assim seremos colocados como colunas de palácio.

Para que nossos filhos sejam como plantas crescidas na sua mocidade; para que as nossas filhas sejam como pedras de esquina lavradas à moda de palácio.”
Salmos 144:12

Se Jesus é a pedra angular, então é porque a fé em Jesus e aceitá-lo como suficiente salvador é o início de tudo, início de uma nova construção. Mas depois de aceitar a fé é necessário lançar a construção, levantar paredes e colocar colunas de sustentação.
Nós temos nosso arqui-inimigo que é o diabo, ele tem fúria contra tudo que é de Deus, precisamos discernir ao começarmos a construção, o que é fúria do diabo, e o que é Ira de Deus.

A fúria do diabo é um desejo totalmente maligno, insano, de matar, roubar e destruir. Esse é o inimigo das nossas almas.  Já sabemos que a alma é nosso ser psicológico, então ele é o inimigo das nossas emoções; se tem algo que é muito frágil no homem, na mulher, jovem e crianças é nosso centro das emoções. Ele por existir desde a criação conhece isso, é mais poderoso que o homem, pois conhece os mistérios da presença da glória, e também conhece o mais profundo abismo, e nos conhece, pois observa a humanidade desde em que ela foi criada. Ele só não é mais poderoso do que o Criador, pois existem mistérios que são reservados por Ele, são selados, e o diabo não tem como compreender, por mais que se esforçasse ele não conhece as obras da luz, sendo ele criatura das trevas, tem poder, mas é cego para a obra da luz.
Já se formos falar da Ira de Deus, sabemos que contra essa ira não podemos, se for do inimigo, pelo nome de Jesus que tem poder contra suas ciladas somos mais que vencedores, pois Jesus venceu a morte e ressuscitou para expor em escândalo e vergonha as obras das trevas. Mas se for a ira de Deus não há quem possa, ela se cumpre até que o homem, mulher pague o último centavo de sua dívida para com Deus.

Nosso íntimo é firmado por colunas de sustentação do nosso ser, uns tem colunas como amor, aceitação, fidelidade, verdade e muitos outros. E do mesmo modo nossa estrutura é abalada quando perdemos, ou essas colunas são tocadas; quando, por exemplo, passamos por uma traição, a coluna da fidelidade pode ser totalmente comprometida, um luto, pode abalar de igual modo uma pessoa, autoestima, carências afetivas etc.
A fúria do diabo é manifesta quando ele o tempo todo fica cirandando para descobrir uma dessas colunas no nosso íntimo, depois de descoberto, ciranda para achar alguém do nosso convívio para abalar essas colunas, sempre com a intenção de destruir, ou até mesmo nos fazer acreditar num sofisma, como exemplo, que somos inferiores aos outros.

É tão verdadeiro isso que sabemos que um homem forte, grande, saudável pode ser totalmente jogado numa cama com depressão, síndrome do pânico, pode ser jogado na dependência química, no alcoolismo etc.
A Ira de Deus é algo sempre com desejo de que o homem se converta, se renda ao Criador, pois assim Ele com intimidade com esse homem ou mulher, pode fazer com seus filhos conheçam esses mistérios e se imunizem contra essa fúria do diabo.

Existe uma história na bíblia que nos dá uma visão do que representa e ilustra essa ideia, a história de Sansão; a força de Sansão estava na obediência e não nos seus cabelos, mas quando Dalila descobriu seu segredo, ainda que Sansão não tivesse feito com suas próprias mãos, passado navalha nos seus cabelos, pois era nazireu, o diabo usou Dalila para fazê-lo. Sansão que era um homem robusto, forte, homem de guerra, perdeu totalmente suas forças, foi capturado pelos inimigos, ataviado e preso. Ficou ali no cativeiro e sendo motivo de escárnio e zombaria do inimigo. Eles podiam zombar e debochar o quanto pudessem, pois seus dias estavam contados, essa foi a fúria do diabo sobre a vida de Sansão. Aprendemos com isso que devemos ser humildes e nos humilhar no temor diante de Deus, devemos também discernir o tempo e as estações dessa humilhação, sabendo que um dia o tempo de honra chegará. Sansão sabia enquanto esteve no cativeiro que seu dia de honra e glória iria chegar, mesmo que depois disso, depois de viver tamanha glória poderia então ser chamado para perto do Senhor, viver diante do trono. Enquanto seus cabelos foram crescendo, ele foi novamente se enchendo do Espírito Santo, suas colunas de sustentação eram a fidelidade de sua esposa, ele depositou em suas mãos o segredo de sua força, entre casais existe muito disso, precisava da fidelidade dela para continuar sendo forte, mas não foi o que aconteceu, a fúria do diabo abalou essa coluna.
Meditando, fazendo uma introspecção, uma reforma em todo o seu íntimo, orando, clamando ao Senhor, ao Espírito Santo, restaurando as colunas de sua força interior, substituindo essa coluna de sustentação que era a fidelidade conjugal, por uma mais excelente, a fidelidade do Senhor, essa coluna jamais seria abalada, pois a fidelidade do Senhor é inerente á Deus, é a personalidade de Deus, é um dos nomes do Senhor.

Por isso devemos esperar o tempo de restauração do Senhor em nosso íntimo para servi-lo de maneira um tanto mais excelente, pois somente Ele pode nos restaurar, nos transformar e substituir essas nossas colunas, por outras mais fortes e inabaláveis. Só depois dessa transformação é que estaríamos aptos para servir o reino, imunes dos ataques contra nossas torres gêmeas.
Quando então o inimigo preparando um dia inesquecível na vida de Sansão, o dia de sua maior humilhação, Deus Yaveh, já estava preparando o dia de sua glória, o dia da revanche. Sansão que foi atingido em cheio pelo inimigo, sendo abalado em sua coluna de sustentação, perdendo assim sua força, num golpe mesquinho, mentiroso, sujo e sem escrúpulos do diabo, estava já então restaurado por uma força e coluna muito mais excelente, a coluna da Fidelidade do Senhor. Sansão então orou, se humilhou, clamou e pediu:


“Então Sansão clamou ao SENHOR, e disse: Senhor DEUS, peço-te que te lembres de mim, devolve minha força uma vez mais, ó Deus, para que de uma vez me vingue dos filisteus, pelos meus dois olhos.” Juízes 16:28
Colocou-se entre as colunas de sustentação do lugar onde abrigavam seus inimigos, eles estavam amparados por essa construção, amparados em suas mesquinhez e fúria.  Existia um alicerce aquele lugar cheio de engano, mas também tinha colunas de sustentação, e Sansão foi exatamente e cheio do Espírito Santo se colocou entre essas colunas de sustentação, empurrou essas colunas, desbaratou a ponto de conseguir que elas cedessem. Virando assim o cativeiro, aquele que fez ceder as colunas da força de Sansão, agora se via derribado em sua altivez. Fazia cair a coroa de glória, fazia que toda essa glória do inimigo se transformasse em ruínas, pó e cinzas.


A bíblia compara o homem de Deus com o sal que tempera o alimento, se a comida tiver sem sal, fica com sabor desagradável, mas se for colocado em justa medida, fica saborosa. E na verdade entendo que devemos ser como o mar morto, em que a concentração de sal é excessiva, pois assim como, criatura nenhuma pode viver em tão alta concentração de sal, assim também as criaturas das trevas não poderiam nos atingir. A posição do corpo nessas águas é de flutuar, descanso, podemos então ter a certeza que lá morre nossa soberba, nosso orgulho, nosso medo. Pois afinal o resultado da Ira de Deus, como foi em Sodoma e Gomorra, sempre resulta em bem maior. Sempre a intenção é que o homem se arrependa, se converta dos seus maus caminhos, e mesmo que esse homem não seja mau, que ele possa descobrir o mistério de suas colunas de sustentação, pois assim fica imune quanto á fúria do inimigo, e se protege desse abalo sísmico.
Homens totalmente restaurados, que passam por transformações e mudanças de colunas de sustentação são os homens que Deus está em busca, os verdadeiros adoradores, adoradores em excelência. E não pense o homem que eles estão em extinção, pois Deus sempre em toda a história da humanidade reservou seus remanescentes. Dias desses vi num anúncio um pastor dizendo que ia pregar em um Congresso com o título: “Adoradores em extinção” e eu repreendi na mesma hora e falei comigo mesma:
- Ah jezabel, você está repreendida no nome de Jesus! jezabel que mata o genuíno ministério profético e  ministério de adoradores!


E com toda a certeza digo que os adoradores não estão em extinção! Pois o Senhor está restaurando as colunas dos seus remanescentes! Precisamos apenas deixar no agir e no mover do Espírito Santo, mergulharmos no mar morto, matando o orgulho e soberba e deixá-lo substituir nossas colunas por outras um tanto mais excelentes! Ora vem!