segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Não se fará menção de coral nem de pérolas; porque o valor da sabedoria é melhor que o dos rubis. Jó 28:18

 
 


Conhecer e amar Jesus é como ser uma noiva que está para ser desposada, mas que o noivo está alistado numa tropa do Exército lutando pelos irmãos. O Espírito Santo constrange o íntimo, constrita e aperta os corações, e gememos por um encontro, por um afago, e por mais intimidade. A alma numa adoração extravagante grita e clama: Ora vem! Ora vem!      
Algo como uma angústia constante, boca seca, meio amarga de ansiedade e de saudade ao mesmo tempo. É como um sentimento insaciável, sedento pela presença do amado da nossa alma.

- Todos os dias Senhor sua noiva suspira de saudade, ela se prostra e clama para sentir a sua presença!
Ela na verdade se encontra enferma de amor. Prostra-se no deserto, nos mananciais de águas, nos montes e nos vales, corre ao seu encontro, tudo para sentir o frescor do seu cheiro de mirra. Muitas vezes como manancial recluso, outras como nascentes em que pisaram em suas águas tornando-as turvas, subindo assim a lama, mas de algum modo, no seu íntimo a noiva espera as sujidades das águas baixarem. Fica ali observando o tempo em que o noivo vem, se abaixe, lança suas mãos fechadas em conchas e bebe, num gole refrescante, saciando a sede de sua presença, sede de ouvir sua voz e sentir sua presença.                             

O noivo também muitas vezes anseia pela presença de sua noiva. Anseia em sentir o doce aroma do louvor que lhe é dado, anseia pela adoração. Muitas vezes a oração da noiva chega como incenso perfumado ás suas narinas. Isso é ter intimidade! Quando a noiva desfalece de amor e o noivo anseia pelos aromas suaves de sua adoração!

Quem conhecerá aquele que é o fogo devorador? Senão aqueles que passaram pela prova de fogo? Quem conhecerá aquele que é leão e o cordeiro? Manso como a pomba e prudente como a serpente?

Para onde iremos nós? Pois só Tu Senhor tens palavras de vida! Quem conhecerá o coração de Deus?  Se não  o Espírito de Deus que intercede pelos que são seus? (Rm 8)

De que me vale buscar apenas os dons? Se não for conhecer as coisas profundas e maravilhosas que aos Seus, tu revelas? Porque se o homem e a mulher de Deus buscar apenas os dons de línguas e profecias, mas se não desfalecer de amor pelo Noivo, é como se casar e não provar da lua de mel. Eu posso falar a língua dos homens e dos anjos, mas se não tiver amor, o que será desses dons? Eles cessarão e desaparecerão, mas o caminho sobremodo excelente , o amor, é o maior dos dons e o melhor desejo, e esse permanecerá para sempre. 

De que me vale cuidar da obra que o Senhor dá ao homem, e fechar minha visão apenas para a obra e não ser um homem ou mulher que cuida do reino?

O homem e a mulher de Deus podem cuidar do que o Senhor lhes confia apenas, fechar a visão, o foco e cuidar apenas daquilo que lhes foi confiado. É como a parábola dos talentos, recebeu uma moeda, esconde , se fecha no seu mundinho e cuida somente daquilo que está no seu foco, ficando até mesmo ameaçados e não permitindo que outros usufruam e também contribuam, tendo insegurança e ameaças. Mas se esse homem ou mulher ampliar o foco, a visão e fazer com que seu Ministério foque no reino, se abra para todos, ajude a todos na caminhada, na semeadura. Que seja abençoado e também abençoe, que prospere, que cumpra o princípio que diz: é melhor dar do que receber. Aí sim, esse talento prospera,se multiplica, e esse homem e essa mulher que foram fiéis no pouco, serão colocados no muito.

Porque o Senhor procura verdadeiros adoradores, e verdadeiros adoradores  adoram o Senhor de todas as coisas. E não adora as coisas dadas pelo Senhor. Verdadeiros adoradores adoram seu Senhor, e não seus ministérios, suas coisas e pessoas.  
Abra seu coração meu irmão e minha irmã, deixe o rio passar, e levar por água abaixo tudo que impede seu crescimento para uma visão maior e mais ampla!

Os verdadeiros adoradores O adoram em Espírito, e o Espírito conhece as profundezas de Deus, seu tamanho, sua largura e tem sua visão. Somente alcançando esse tamanho e essa profundidade, trilhando pelo caminho sobremodo excelente, e a porta desse caminho é o amor, é que se consegue multiplicar os talentos. E esse talento se multiplicará a trinta, a sessenta e a cem por um (Mc 24:30.)
De que me vale ter visão que não seja como a da águia? Se preciso mesmo ampliá-la e chegar a ser uma águia em lugares altaneiros?

A Tua Palavra Senhor penetra como espada, as vezes provocando dor, mas também entra como um grãozinho de areia no interior de uma ostra. E no nosso interior, esse grão vai remoendo, remexendo tudo lá dentro; e lá dentro no profundo tudo começa a se inquietar, e revirar e  se transtornar, na verdade nosso íntimo começa a querer se recalcitrar contra os aguilhões da verdade e da liberdade. E um grão insignificante como quem não quer nada, á medida que nos vai espetando, vai provocando mudanças, e o nosso íntimo começa a liberar substâncias de defesa até que tudo seja transtornado pelo movimento do grão. Mas um dia todo esse movimento do grão dentro de nós se transforma em uma pérola, a mais preciosa, de inestimável valor; então vendemos tudo que temos de mais precioso para termos junto de nós, implantado, guardado no mais interior do íntimo e em águas profundas do oceano da graça de Deus, essa pérola de raro esplendor. Tudo passa a ser escória, refugo, pela excelência do conhecimento que está em Cristo, esse é o nosso tesouro, Ele é o nosso oceano de águas profundas, tudo incide Nele, por Ele e para Ele; esses são os adornos da noiva, o dote precioso.

         E um dia seremos colhidos, retirados como pérolas de fino valor, e teremos o privilégio de sermos matéria prima para artefatos de ouro e de prata, joias incrustadas em anéis de beleza e esplendor. 

 “A minha porção é o SENHOR, diz a minha alma...” (Lamentações 3:24)

domingo, 30 de dezembro de 2012

“Andarão após o SENHOR; ele rugirá como leão; rugindo, pois, ele, os filhos do ocidente tremerão.” Oséias 11:10

 
 
Quando somos atraídos pelo amor de Deus, somos atraídos com cordas humanas e laços de amor. Muito peleja o inimigo das nossas almas para nos colocar mágoas, rancor e desesperança, mas vem sempre um rio de fogo, glória e nos desentulha os poços, fazendo com que flua no mais profundo do nosso íntimo um rio de fogo, óleo e unção!
Esse rio desimpede todo entulho que travava a unção, e aquela natureza selvagem do leão carnívoro desce por esse rio abaixo, o fogo desmaterializa qualquer dureza, e a unção borbulha e traz a essa nova criatura um rugido, esse rugido vem das entranhas, porque lá no profundo o óleo começa a ferver, e na fervura do óleo, sobe um vapor quente e úmido.
Esse vapor quente dá pressão tendo que forçosamente buscar escape, a válvula de escape. E por isso o vapor do óleo quente dá pressão buscando a válvula de escape que no nosso íntimo é a boca.
A boca do leão selvagem tem que dar o escape da pressão da unção quente, e ela abre; abre com rugido de autoridade, com hinos, cânticos e línguas estranhas. Isso tudo contribui para que de glória em glória, mas não devemos esquecer, é de glória em glória, e não de repente. O temperamento selvagem do leão é transformado em mansidão. Fazendo com que contrário á natureza caída, um paradoxo que contradiz a intuição comum, o leão possa viver com o cordeiro, com a ovelha. Esse leão não ataca com selvageria as ovelhas, mas pasta junto com as mesmas. O sangue das ovelhas e cordeiros não serão assim derramados pela presa, escorrendo pelos dentes, nem pelas patas, garras, mãos desse leão; pois esse leão foi transformado pela unção de fogo e glória, e apenas pastará juntos das ovelhas.
O lobo e o cordeiro se apascentarão juntos, e o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o SENHOR.” Isaías 65:25
E que caminho sobremodo excelente é esse? Que profundidade tanto da sabedoria como do conhecimento é esse? O que acontece com um rebanho de cordeiros e ovelhas em que pasta juntos um leão? Qual lobo se atreveria atacar um rebanho desses?
“...diga o fraco: Eu sou forte.” Joel 3:10
“Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir.” Salmos 139:6
Uns desejam campanhas de prosperidade, outros desejam dons e profecias, outros fama e status; desejemos a profundidade, a inexplicável lucidez da loucura de Deus, ou a insana lucidez Dele. Sabendo com isso que todas essas coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus.
Sendo assim não limitemos Deus na nossa vã filosofia e nem na nossa vã compreensão de mundo, porque: “ a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.”
1 Coríntios 1:25
E nada que possamos viver e sentir aqui se compara ao rugido do leão, ao fluir do rio de fogo, ao borbulhar do óleo de unção no íntimo dos que se ligam Nele, e nem nada se compara á chuva de águas vivas.
Creia tão somente e se esforce até o sangue, mas não deixe o Eterno que pode todas as coisas!


sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

“...até a seus inimigos faz que tenham paz com ele. ” Provérbios 16:7




         Eu sempre li a História de Balaão e nunca entendi o mistério da jumenta falar á Balaão, mas esses dias entendi o que na verdade estava por trás das entrelinhas.

Quando estamos buscando o Deus Vivo, e o servimos com pureza e inteireza de coração, somos colocados debaixo das sombras de suas asas. Como a águia protege e defende seus filhotes, assim o Senhor nos guarda e nos defende das artimanhas do inimigo, e se o inimigo for insistente, Ele então dá ordem á ele que declare seus intentos malignos. E também quando conhecemos o Senhor e insistimos em ser rebeldes, Deus o Todo poderoso dá ordem até ao inimigo para declarar que estamos em maus caminhos. Assim como ele usou a jumenta para falar com Balaão.

Balaão conhecia o Deus Vivo, o Todo-poderoso, e orava a esse Deus. A autoridade foi colocada sobre os ombros de Balaão.

“Vem, pois, agora, rogo-te, amaldiçoa-me este povo, pois mais poderoso é do que eu; talvez o poderei ferir e lançar fora da terra; porque eu sei que, a quem tu abençoares será abençoado, e a quem tu amaldiçoares será amaldiçoado. Então foram-se os anciãos dos moabitas e os anciãos dos midianitas com o preço dos encantamentos nas suas mãos; e chegaram a Balaão, e disseram-lhe as palavras de Balaque.” Números 22:6-7

Balaão era um homem que ouvia a voz de Deus, buscava sua direção, se orientava pelo que o Senhor determinava.

“Então disse Deus a Balaão: Não irás com eles, nem amaldiçoarás a este povo, porquanto é bendito. Então Balaão levantou-se pela manhã, e disse aos príncipes de Balaque: Ide à vossa terra, porque o SENHOR recusa deixar-me ir convosco.” Números 22:12-13

Mas nesse caso Balaão foi rebelde, ele insistiu em receber as honras do homem fazendo com que  essa atitude o fizesse rebelde contra Deus. Depois de tanta insistência por parte do rei, e de tantas ofertas tentadoras, Balaão foi com os príncipes dos Moabitas amaldiçoar Israel.

Resultando assim que sua jumenta falasse á ele:

“Então o SENHOR abriu a boca da jumenta, a qual disse a Balaão: Que te fiz eu, que me espancaste estas três vezes?”  Números 22:28

Mas se Deus usa de várias formas pra fazer o homem entender dos seus feitos malignos, como com Balaão, quanto mais um homem que está desejoso de ser manso, humilde e obediente. Tanto mais Ele fará com que esse homem se depare com seu coração prestes a se corromper.

Há uns dias atrás tive o entendimento dessa passagem, na verdade esse episódio está á sombra do que Deus quer que entendamos. O Todo-poderoso se for necessário abre até a boca do inimigo das nossas almas para nos fazer entender sua soberana vontade.

Deus o Todo-poderoso que tem domínio nos Céus e na terra, dá ordem para que o nossos inimigos declarem e confessem que usaram de astúcias contra nossas vidas. Quando Deus fala até o inferno tem que lhe submeter!

Digo isso com propriedade, pois tive uma experiência dessas e vou relatá-la para edificar a vida daqueles que tem desejo ardente de obedecer ao Pai.

E minha experiência foi assim: Há uns anos atrás fui muito atacada e acusada pela liderança do Ministério em que frequentava, mas fiquei humilde e buscando que Deus pudesse agir fazendo justiça e colocando as coisas nos seus devidos lugares; se eu tivesse errada e pecando contra o Senhor, que Ele me convencesse do mau caminho, mas se fosse a liderança que então Ele também pudesse mudar as circunstâncias. E depois de um tempo o Senhor fez um reboliço naquele lugar, aos meus olhos Ele fez justiça e mostrou a todos quem na verdade estava sendo negligente e rebelde ao Espírito Santo.

Permaneci ali buscando servi-lo na boa, perfeita e agradável vontade do Senhor, embora somos falhos e temos dificuldades em saber como servir da melhor maneira.

Aprendi com isso que mesmo que sejamos filhos amados, assim como um pai educa e corrige seus filhos com amor, e sempre interfere em favor do que está sendo justo; assim é o Senhor com os seus filhos.

As tribos de Israel sendo todos filhos, quando declaravam guerras uns contra os outros, o Senhor sempre interferia a favor dos que estavam sendo obedientes e mais féis aos seus preceitos.

          Deus contempla os mais humildes,  e não os que reagem com arrogante pretensão de ser “predileto” entendendo que são infalíveis e justos e que estão acima de qualquer suspeita. O Senhor contempla os que se humilham na Sua presença, de coração quebrantado e que envolvem a alma em “panos de saco e cinzas”.

Mas depois da minha experiência dolorida com a liderança, pela qual eu tinha amor e por isso foi tão difícil superar, passados alguns anos, novamente o inimigo fez confusão, e tentou fazer com que acontecesse de novo algo muito parecido. Mas dessa vez eu ainda não me sentia preparada para vivenciar toda a humilhação, e ofensa. Então comecei a “espernear”, como uma criança birrenta, tentando fugir da situação. Num dos cultos então fui decidida em me desligar do Ministério, mas nessa tarde, o Senhor conhecendo meu coração, e a dureza dele, na verdade eu já estava ferida por situações doloridas em que vivi; mas acima de tudo estava sem poder lançar mão de algo que me justificasse, pois conhecia de experiências próprias, o amor, o cuidado e acima de tudo a justiça de Deus. Então adormeci á tarde para descansar para ir ao culto, e tive um sonho, nesse sonho o cãozinho de casa falava comigo. No sonho eu acordei muito assustada, quase sem respirar, pois é assustador um animal falar como humano. Imediatamente entendi o que o Senhor queria me dizer, pois me lembrei da passagem em que a jumenta falou com Balaão, e percebi que estava para tomar um caminho em rebeldia.

Acordei e orei ao Senhor: Senhor, eu desejo me desligar do Ministério, pois o Senhor conhece que não tenho estrutura para passar por isso de novo. Mas se isso não for da Sua vontade que o Senhor use alguém nesse culto.

E assim busquei força no Espírito Santo e fui ao culto. Ao chegar lá o Espírito Santo já começou a usar a ministra de louvor do dia, depois o pregador que foi o convidado naquela noite, e por fim, houve um sobrenatural; o Espírito Santo fluiu no meu íntimo como um rio de fogo, eu sentia aquele rio passar e fazer descer todo tipo de pedras que entulhavam meu íntimo, angústia, mágoas, medo, insegurança e etc. Foi uma experiência tremenda e diferente de todas que já havia passado antes com Deus. Então fiquei desarmada, quebrantada e finalmente convencida que não poderia fazer “justiça” com as próprias mãos. Nesse caso não poderia me desligar do Ministério enquanto o Senhor não mudasse as circunstâncias, Ele quem abriria o mar, e o Jordão, para que eu fosse herdar a promessa e passar por tudo a “pés secos”.

Depois desse sonho os dias em que seguiram eu fiquei meditando sobre esse assunto, e me lembrei que num ano em que vivi muitas perseguições, e uma dessas foi no meu local de trabalho, já para terminar o ano, eu estava numa sala, e de repente chegou uma das colegas de trabalho que eu a considerava como mãezona, ela sempre se preocupava com o bem estar de todos os colegas, mas que eu sabia por revelação que ela era adepta á umbanda. Mas eu jamais imaginava que ela com seu jeito pudesse fazer algo pra nos prejudicar, mas o Senhor nos ensina que só Ele sonda e conhece os corações e seus intentos malignos. Pois eu estava naquela sala terminando meu trabalho para encerrar o ano, e ela entrou para recolher as xícaras do café. Essa mulher então começou de repente a rir e disse:

- Coitada dessa menina, eu a importunei o ano todo!

Eu no instante não percebi o que ela dizia, e fiquei achando estranho o que ela acabara de dizer, mas com o passar do tempo quanto mais refletia no que tinha acabado de acontecer, mais impressionada fui ficando. Eu refletia, pensava e tentava descobrir em que ela me importunara. Eu tentava trazer á memória algo que pudesse validar aquela declaração. Concluindo assim que na verdade, no real, no dia a dia, não tinha me acontecido nada; mas no mundo espiritual, usando de artimanhas, de feitiçarias ela provavelmente teria feito muito para me prejudicar. Fiquei estupefata!

Mas concluí. O Senhor realmente, quando alguém é fiel á Sua Palavra e tem temor, Ele faz com que os seus inimigos declarem a afronta, Ele dá ordem que o inimigo das nossas almas tenha que declarar seus feitos malignos.

“Sendo os caminhos do homem agradáveis ao SENHOR, até a seus inimigos faz que tenham paz com ele.” Provérbios 16:7

“Oh! se o meu povo me tivesse ouvido! se Israel andasse nos meus caminhos! Em breve abateria os seus inimigos, e viraria a minha mão contra os seus adversários. Os que odeiam ao SENHOR ter-se-lhe-iam sujeitado, e o seu tempo seria eterno. E o sustentaria com o trigo mais fino, e o fartaria com o mel saído da rocha.”  Salmos 81:13-16

Portanto homem e mulher mui amados do Senhor, devemos com certeza saber que se nos humilharmos sob a poderosa mão de Deus, esperarmos no seu amor e confiarmos podemos dizer que Ele nos protege, nos guarda e nos livra do nosso inimigo. Se este não nos quer deixar em paz, Ele mesmo toma a peleja, e os abate. Ele vem como fogo que queima e ainda lambe a água, Ele despedaça jugos, derriba muralhas, e como estrategista e general de guerra Ele nos faz receber a vitória nas mãos e o selo: Eleito de Deus aprovado!

“O nosso Deus é o Deus da salvação; e a DEUS, o Senhor, pertencem os livramentos da morte. Mas Deus ferirá gravemente a cabeça de seus inimigos e o crânio cabeludo do que anda em suas culpas.”

Salmos 68:20-21

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” Tiago 4:6



CONTO GOSPEL


Mara era uma mulher que temia a Deus e tinha intimidade com o Espírito Santo, ela um certo dia saiu ás compras, precisava comprar um vestido para ir a um casamento, andou quase o dia todo para achar um vestido adequado com seu estilo e que fosse discreto e ao mesmo tempo elegante. Num determinado momento, ela já cansada de tanto procurar sentou numa lanchonete para comer algo, estava já com os pés doloridos de tanto andar. Ela então sentada e falando com Deus que precisa resolver o que comprar, dizia ao Senhor que não queria usar uma roupa para escandalizar, mas queria comprar um vestido que agradasse o coração do Pai. Ela ainda falando com o Senhor percebeu que ao seu lado parou uma mulher pedinte, ela tinha uma criança enganchada ao lado, e sua postura era tão agressiva, balançava a criança em sua cintura ás sacudidelas,  seu balanço era um movimento frenético e com ar de petulante desejo de ganhar algo,  dizia com seu modo de agir que Mara deveria fazer algo, oferecer algo, doar, afinal de contas aquela mulher tinha uma criança no colo e provavelmente estava faminta.
Mara vendo a expressão da mulher não se sentiu tocada, não se compadeceu; muito pelo contrário endureceu seu coração. Vendo então a pedinte, que Mara não se tocava com a cena, ela bateu a mão no balcão da lanchonete e pediu um copo d’água. Saindo então daquele estabelecimento deixando Mara a refletir se não teria sido insensível e dura, afinal, a criança não tinha culpa, era inocente quanto a postura petulante da mulher.
Ela então continuou andando pelas lojas a procurar seu vestido, e ainda pensativa sobre o que tinha visto na lanchonete.
Andava pelas ruas também orando e pedindo ao Senhor que falasse com ela onde encontraria o seu vestido, pois ela já se encontrava cansada. Quando a algumas quadras mais á frente da lanchonete, ela então viu outra mulher, essa era negra, maltrapilha, estava pegando comida dentro de um recipiente de alumínio, próprio para servirem comidas em self service, provavelmente era resto de comida de alguma vendedora daquele Centro Comercial. Mas um detalhe chamou a atenção dela, tinha acabado de chover, era chuva de verão, daquelas chuvas em que cai a tromba d’água e depois sai o sol, tornando assim o clima abafado e quente. Mara vendo aquela cena ficou quebrantada, pois estava diante de seus olhos, uma mulher faminta, comendo restos, migalhas, agachada debaixo de um cesto de lixo; porém aquele resto de comida estava cheio d’água da chuva que acabara de cair. Mara então não se conteve, ficou mesmo  tocada com aquela cena, e então agachou de lado daquela mulher, pegou dinheiro da bolsa e a entregou, e disse que fosse comprar algo pra comer, e assim se levantaram as duas e seguiram seu caminho, cada uma o seu caminho.
Mara então refletindo naquelas cenas, uma seguida da outra, o Espírito Santo então falou profundamente ao seu coração:
- Até para pedir temos que ter humildade!
E ela então se lembrou:
“...Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.”  Tiago 4:6
Muitos são os filhos que chegam diante do Senhor e falam:
- Deus o Senhor tem que me dar isso, e isso e aquilo,,,
-Deus o Senhor tem que fazer isso ou aquilo, senão eu não,,,
Mas Deus resiste aos soberbos.
Mas  o que Ele não resiste é um coração quebrantado e contrito diante Dele!
Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.” Salmos 34:18
E aquele dia foi inesquecível para Mara, pois ela havia aprendido uma lição com o Espírito Santo, uma das mais lindas, tocante. E assim que ela viveu esses momentos de aprendizagem com o Senhor Jesus, aquele que vive e reina, Ele então sussurrou ao seus ouvidos:
-Vá na loja (...)  e lá você vai encontrar o seu vestido!
E assim foi, ao chegar naquela loja indicada pelo Espírito Santo, Mara realmente encontrou o vestido que tanto queria, lindo, parecia com ela, com seu estilo, parecia um vestido de princesa, com seus babados e recortes bem femininos.
Ela então pôde ir para casa mais feliz do que antes, pois aprendera uma lição tocante.  Sabendo enfim que Jesus cuida dos mínimos detalhes de sua vida e que também era seu Personal style . Um Deus vivo, cheio de novidades, que sonda e conhece até o que está no mais profundo do seu íntimo. E que zela pelos seus amados! É esse o nosso Deus!



quarta-feira, 7 de novembro de 2012

“...a sua saída, como a alva, é certa...” Oséias 6:3

Foto: Ministério Insaciáveis adoradores de Deus.
 
Entrar em adoração, fechando a porta do seu quarto, ouvindo um louvor, é ter um momento particular com o Rei dos reis, coisa que o homem natural, ou de belial não entende, pois pensa ser Deus um homem muito ocupado para dar ouvidos e atenção a simples mortais como nós. Outros pensam que somos esquizofrênicos, pois ouvimos vozes, temos megalomanias em dizer que Deus, o Criador nos fala e nos orienta e até mesmo nos faz um carinho e nos dá um abraço. A verdade é que não somos nós que somos grandes e importantes, Ele que é bom e pela Sua infinita graça nos ama e nos assiste em nossas angústias.

Quando entramos para o quarto, fechamos a porta, envolvemos nossa alma em pó e cinzas, levantamos um clamor que faz com que suas entranhas gemam, se contorçam; quando seu desejo é não apenas prostrar, mas voltar para o pó de onde fomos retirados, num clamor extravagante; Ele vem e te assiste nessa angústia, nesse desejo e desespero por ouvir Sua voz.

Em muitos momentos passamos por isso, ouvimos algo que fica difícil digerir, ouvimos acusações, calúnias, levantes do inimigo das nossas almas, formando sofismas nos ouvidos daqueles a quem temos convívio, mas não sabem o que vivemos no íntimo.
Ele sabe o que flui em nosso íntimo, sonda e perscruta nosso ser. Ele conhece o momento em que a pressão vai ser extrema, Ele sabe a provação em que suportamos e a que será insuportável. E nos ajuda a superar. Na verdade o Espírito Santo não nos ajuda, Ele é que passa por nós, nos envolve numa nuvem de glória, nos fala aos ouvidos e ameniza a dor.

Quanto mais nos aproximamos do Senhor, o Sol da justiça, mais conhecemos nossas limitações, fraquezas, pois o sol ilumina tudo, e nada escapa da sua luz. Ainda me admiro porque existe no nosso meio pessoas que acreditam que devemos ser perfeitos, criticam e te apontam erros que muitas vezes nem cometemos. O inimigo muitas vezes até usa pessoas pra te acusar, pra lançar palavras de maldição, e dizer que não somos dignos de servir a Deus, pois somos falhos. Seria muita presunção nossa pensar, desde que andamos com o Sol da justiça, que somos perfeitos, que não falhamos, pois quem anda na luz com certeza sabe das suas limitações, pois essas não te são ocultas. Ele as coloca todas diante dos seus olhos, vai a nossas cavernas tenebrosas e te faz vasculhar suas debilidades. Andar com Jesus é ter consciência de que somos vasos de barro, frágeis, feito do pó. Guardamos a Sua palavra em vasos de barro.

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.” 2 Coríntios 4:7

Quanto mais perto de Deus o servo está, mais ele contempla seu intimo e percebe que é pecador, o servo a cada dia vive essa verdade porque passa a se conhecer, e porque Ele nos mostra até o que está escondido no nosso inconsciente. Mas os outros exigem dele perfeição, sabendo ele que jamais pode chegar a essa estatura.

 O homem que busca perfeição na igreja, não conhece a profundidade da Palavra, pois o poder se aperfeiçoa na fraqueza. Qual é o homem ou mulher que pode dizer, entrarei nessa batalha e não serei atingido, estou em perfeito estado de santidade e por isso posso enfrentar principados, potestades e derrotar as hostes celestiais do mal. Ele quem nos coloca debaixo das sombras de suas asas, Ele quem nos guarda e nos livra, Ele quem nos reveste de uma nuvem de glória e nos faz andar na coluna de fogo. E tanto por isso o apóstolo Paulo disse:

E disse-me (Jesus): A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.” 2 Coríntios 12:9
Conhecendo então esse princípio,  muito profundo, descubro então que quanto mais me glorio na fraqueza, quanto mais declaro que sou pó e cinza, e vivo isso com sinceridade; quanto mais reconheço que devo mesmo sempre rever meus conceitos, pedir perdão pelas minhas faltas confessadas e as que me são ocultas, mais me aperfeiçoo Nele. Pois o Poder de Deus se aperfeiçoa na minha fraqueza.

Quando eu nego meu desejo, meus conceitos e minhas verdades, Ele me aperfeiçoa no Seu desejo, nos seus conceitos e na Sua verdade; me libertando com isso das minhas limitações e me fazendo andar pelo Seu poder, graça e misericórdia.
A Palavra de Deus diz que as misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, elas se renovam a cada manhã em nossas vidas, vivemos pela graça e se assim não fosse não seria graça; pois preciso ser consciente de que só a bondade, a misericórdia e o amor me fez e nos faz dignos de ser íntimos do Senhor.

“...porque o amor cobrirá a multidão de pecados.” 1 Pedro 4:8

Por amor do Senhor devo obedecer, devo procurar andar nas veredas da justiça em que nos ensina a Palavra, mas aquilo que nos é demasiado difícil, que vai além das nossas forças devemos deixar que o Espírito Santo nos capacite.

Dia desses entrei em meu quarto, porque pressentia um levante contra minha vida, uma certa difamação no ar, pressentia um clima de confusão, de afrontas do inimigo, então comecei a orar, me  prostrei e adorei. O Espírito Santo fluiu de dentro das minhas entranhas, revolvia todo meu íntimo, gemia, orava em línguas eu O adorava com danças proféticas e de repente me disse:
- Contemplai a alva como alvo! Ele virá como a alva!

Eu então busquei na palavra a passagem que me daria essa referência e encontrei essa:

“Vinde, e tornemos ao SENHOR, porque ele despedaçou, e nos sarará; feriu, e nos atará a ferida. Depois de dois dias nos dará a vida; ao terceiro dia nos ressuscitará, e viveremos diante dele. Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.  Oséias 6:1-3

Então entendi nessa passagem que estava numa prova, e quem estava no controle era o Senhor, me fez humilhar, pedir perdão, me submeter ás autoridades estabelecidas sobre minha vida, ouvir coisas que foram difíceis de digerir, pois tinha consciência que não as cometera, não por ser boazinha, mas por temor que não as cometi; para que a partir daí então Ele viesse ao meu socorro.
E ministrou ainda mais o Espírito Santo ao meu coração, disse que precisamos discernir as vinte quatro horas do percorrer do sol em nossas vidas, alguns momentos ele é mais resplandecente, outros menos, e até mesmo em outros momentos ele se põe para se estabelecer a noite. Mas quando enfim chega o tempo, a hora do sol ao seu meio-dia tudo então fica sob sua luz, sob seu calor, resplendente, até ser dia perfeito. Assim é a caminhada daqueles que buscam o Senhor de coração sincero. Ao meio-dia o Senhor já fez separação de luz e trevas, revelou o profundo e escondido, fazendo com isso que todos discirnam entre o justo, bom e perfeito do vil e desprezível.

“Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.” Provérbios 4:18

A Palavra diz que em partes conhecemos e em parte profetizamos, querendo dizer que em partes conseguimos discernir o que acontece na vida do outro e até mesmo em nossas próprias vidas, mas não conhecemos o todo. E por isso ainda estamos limitados em nossas fraquezas, em nosso entendimento, por isso estamos sujeitos ainda á confusões no nosso meio. E também ainda entendo a passagem que diz:

“Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora.” Romanos 8:22

Gememos ainda e juntamente com cada um de nós o Espírito geme com seus gemidos inexprimíveis e intercede por nós, porque não sabemos como orar segundo a mente do Senhor, gememos pela adoção de Pai, gememos pelo nosso revestimento de glória, enfim, para que para Ele, por Ele e por meio Dele seja a glória eternamente! Amém!

 

sábado, 22 de setembro de 2012

“...Guia-me para que apalpe as colunas em que se sustém a casa, para que me encoste a elas.” Juízes 16:26

 
 
Muitas vezes somos colocados como colunas de algum trabalho, ministério, essa é uma promessa do Senhor para aqueles que o servem, mas uma coisa precisamos saber detectar, se estamos totalmente na dependência dEle, ou não; se estamos sabendo discernir o tempo e as estações do tratar dEle, ou não. Pois somente Ele sonda e conhece todo nosso íntimo, perscruta o mais interior do nosso ser, nossas lacunas, nossas carências, nosso ponto fraco.

Imaginemos uma construção em que é sustentada por colunas, todas muito bem firmes, mas se uma delas está comprometida, abalada, trincada, esse é o ponto fraco de toda a construção. O alicerce pode ter sido bem feito, firmado, mas se uma das colunas de sustentação tem algum ponto fraco, tudo pode ruir.
Assim é o ser humano, podemos ser alicerçados e bem firmes na fé, no amor do Senhor, mas se não firmarmos na Palavra de Deus podemos desmoronar.

A pedra angular, principal, pedra de esquina é Jesus, mas as colunas de sustentação é a Palavra de Deus. A bíblia diz que quem é de Deus, ouve a Palavra de Deus, então precisamos almejar, desejar de todo coração prosseguir em conhecer essa Palavra. Assim seremos colocados como colunas de palácio.

Para que nossos filhos sejam como plantas crescidas na sua mocidade; para que as nossas filhas sejam como pedras de esquina lavradas à moda de palácio.”
Salmos 144:12

Se Jesus é a pedra angular, então é porque a fé em Jesus e aceitá-lo como suficiente salvador é o início de tudo, início de uma nova construção. Mas depois de aceitar a fé é necessário lançar a construção, levantar paredes e colocar colunas de sustentação.
Nós temos nosso arqui-inimigo que é o diabo, ele tem fúria contra tudo que é de Deus, precisamos discernir ao começarmos a construção, o que é fúria do diabo, e o que é Ira de Deus.

A fúria do diabo é um desejo totalmente maligno, insano, de matar, roubar e destruir. Esse é o inimigo das nossas almas.  Já sabemos que a alma é nosso ser psicológico, então ele é o inimigo das nossas emoções; se tem algo que é muito frágil no homem, na mulher, jovem e crianças é nosso centro das emoções. Ele por existir desde a criação conhece isso, é mais poderoso que o homem, pois conhece os mistérios da presença da glória, e também conhece o mais profundo abismo, e nos conhece, pois observa a humanidade desde em que ela foi criada. Ele só não é mais poderoso do que o Criador, pois existem mistérios que são reservados por Ele, são selados, e o diabo não tem como compreender, por mais que se esforçasse ele não conhece as obras da luz, sendo ele criatura das trevas, tem poder, mas é cego para a obra da luz.
Já se formos falar da Ira de Deus, sabemos que contra essa ira não podemos, se for do inimigo, pelo nome de Jesus que tem poder contra suas ciladas somos mais que vencedores, pois Jesus venceu a morte e ressuscitou para expor em escândalo e vergonha as obras das trevas. Mas se for a ira de Deus não há quem possa, ela se cumpre até que o homem, mulher pague o último centavo de sua dívida para com Deus.

Nosso íntimo é firmado por colunas de sustentação do nosso ser, uns tem colunas como amor, aceitação, fidelidade, verdade e muitos outros. E do mesmo modo nossa estrutura é abalada quando perdemos, ou essas colunas são tocadas; quando, por exemplo, passamos por uma traição, a coluna da fidelidade pode ser totalmente comprometida, um luto, pode abalar de igual modo uma pessoa, autoestima, carências afetivas etc.
A fúria do diabo é manifesta quando ele o tempo todo fica cirandando para descobrir uma dessas colunas no nosso íntimo, depois de descoberto, ciranda para achar alguém do nosso convívio para abalar essas colunas, sempre com a intenção de destruir, ou até mesmo nos fazer acreditar num sofisma, como exemplo, que somos inferiores aos outros.

É tão verdadeiro isso que sabemos que um homem forte, grande, saudável pode ser totalmente jogado numa cama com depressão, síndrome do pânico, pode ser jogado na dependência química, no alcoolismo etc.
A Ira de Deus é algo sempre com desejo de que o homem se converta, se renda ao Criador, pois assim Ele com intimidade com esse homem ou mulher, pode fazer com seus filhos conheçam esses mistérios e se imunizem contra essa fúria do diabo.

Existe uma história na bíblia que nos dá uma visão do que representa e ilustra essa ideia, a história de Sansão; a força de Sansão estava na obediência e não nos seus cabelos, mas quando Dalila descobriu seu segredo, ainda que Sansão não tivesse feito com suas próprias mãos, passado navalha nos seus cabelos, pois era nazireu, o diabo usou Dalila para fazê-lo. Sansão que era um homem robusto, forte, homem de guerra, perdeu totalmente suas forças, foi capturado pelos inimigos, ataviado e preso. Ficou ali no cativeiro e sendo motivo de escárnio e zombaria do inimigo. Eles podiam zombar e debochar o quanto pudessem, pois seus dias estavam contados, essa foi a fúria do diabo sobre a vida de Sansão. Aprendemos com isso que devemos ser humildes e nos humilhar no temor diante de Deus, devemos também discernir o tempo e as estações dessa humilhação, sabendo que um dia o tempo de honra chegará. Sansão sabia enquanto esteve no cativeiro que seu dia de honra e glória iria chegar, mesmo que depois disso, depois de viver tamanha glória poderia então ser chamado para perto do Senhor, viver diante do trono. Enquanto seus cabelos foram crescendo, ele foi novamente se enchendo do Espírito Santo, suas colunas de sustentação eram a fidelidade de sua esposa, ele depositou em suas mãos o segredo de sua força, entre casais existe muito disso, precisava da fidelidade dela para continuar sendo forte, mas não foi o que aconteceu, a fúria do diabo abalou essa coluna.
Meditando, fazendo uma introspecção, uma reforma em todo o seu íntimo, orando, clamando ao Senhor, ao Espírito Santo, restaurando as colunas de sua força interior, substituindo essa coluna de sustentação que era a fidelidade conjugal, por uma mais excelente, a fidelidade do Senhor, essa coluna jamais seria abalada, pois a fidelidade do Senhor é inerente á Deus, é a personalidade de Deus, é um dos nomes do Senhor.

Por isso devemos esperar o tempo de restauração do Senhor em nosso íntimo para servi-lo de maneira um tanto mais excelente, pois somente Ele pode nos restaurar, nos transformar e substituir essas nossas colunas, por outras mais fortes e inabaláveis. Só depois dessa transformação é que estaríamos aptos para servir o reino, imunes dos ataques contra nossas torres gêmeas.
Quando então o inimigo preparando um dia inesquecível na vida de Sansão, o dia de sua maior humilhação, Deus Yaveh, já estava preparando o dia de sua glória, o dia da revanche. Sansão que foi atingido em cheio pelo inimigo, sendo abalado em sua coluna de sustentação, perdendo assim sua força, num golpe mesquinho, mentiroso, sujo e sem escrúpulos do diabo, estava já então restaurado por uma força e coluna muito mais excelente, a coluna da Fidelidade do Senhor. Sansão então orou, se humilhou, clamou e pediu:


“Então Sansão clamou ao SENHOR, e disse: Senhor DEUS, peço-te que te lembres de mim, devolve minha força uma vez mais, ó Deus, para que de uma vez me vingue dos filisteus, pelos meus dois olhos.” Juízes 16:28
Colocou-se entre as colunas de sustentação do lugar onde abrigavam seus inimigos, eles estavam amparados por essa construção, amparados em suas mesquinhez e fúria.  Existia um alicerce aquele lugar cheio de engano, mas também tinha colunas de sustentação, e Sansão foi exatamente e cheio do Espírito Santo se colocou entre essas colunas de sustentação, empurrou essas colunas, desbaratou a ponto de conseguir que elas cedessem. Virando assim o cativeiro, aquele que fez ceder as colunas da força de Sansão, agora se via derribado em sua altivez. Fazia cair a coroa de glória, fazia que toda essa glória do inimigo se transformasse em ruínas, pó e cinzas.


A bíblia compara o homem de Deus com o sal que tempera o alimento, se a comida tiver sem sal, fica com sabor desagradável, mas se for colocado em justa medida, fica saborosa. E na verdade entendo que devemos ser como o mar morto, em que a concentração de sal é excessiva, pois assim como, criatura nenhuma pode viver em tão alta concentração de sal, assim também as criaturas das trevas não poderiam nos atingir. A posição do corpo nessas águas é de flutuar, descanso, podemos então ter a certeza que lá morre nossa soberba, nosso orgulho, nosso medo. Pois afinal o resultado da Ira de Deus, como foi em Sodoma e Gomorra, sempre resulta em bem maior. Sempre a intenção é que o homem se arrependa, se converta dos seus maus caminhos, e mesmo que esse homem não seja mau, que ele possa descobrir o mistério de suas colunas de sustentação, pois assim fica imune quanto á fúria do inimigo, e se protege desse abalo sísmico.
Homens totalmente restaurados, que passam por transformações e mudanças de colunas de sustentação são os homens que Deus está em busca, os verdadeiros adoradores, adoradores em excelência. E não pense o homem que eles estão em extinção, pois Deus sempre em toda a história da humanidade reservou seus remanescentes. Dias desses vi num anúncio um pastor dizendo que ia pregar em um Congresso com o título: “Adoradores em extinção” e eu repreendi na mesma hora e falei comigo mesma:
- Ah jezabel, você está repreendida no nome de Jesus! jezabel que mata o genuíno ministério profético e  ministério de adoradores!


E com toda a certeza digo que os adoradores não estão em extinção! Pois o Senhor está restaurando as colunas dos seus remanescentes! Precisamos apenas deixar no agir e no mover do Espírito Santo, mergulharmos no mar morto, matando o orgulho e soberba e deixá-lo substituir nossas colunas por outras um tanto mais excelentes! Ora vem!

 

  

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

“Porque a palavra da cruz é loucura...” 1 Coríntios 1:18

Foto artística de: Cláudio Henrique


“Porque a palavra da cruz é loucura...”  1 Coríntios 1:18

Considero a vida do adorador como a vida de uma águia, uma vida extravagante no seu modo de agir, algo que nem pessoas que convivem juntas deles os entendem.
Como a águia faz morada nas rochas altaneiras, assim o adorador é firmado na rocha que é Jesus, muitas vezes ele vive só, meio isolado dos outros habitantes desse planeta, pois sua habitação está no alto. Lugares em que é necessário coragem para alcançar.
Seja o que o adorador estiver fazendo em meio do dia, quando ele ouve a voz do Espírito Santo, ele para tudo, entra pra dentro do quarto e fica ali até que o Senhor fale tudo que tem pra falar. Isso aconteceu comigo nesse instante, comecei a cantarolar uma canção gospel, e senti que deveria entrar para o quarto e Ele veio e me colocou a cantar e logo após me pôs a escrever esse texto.
O desejo que dá é de parar tudo, parar o mundo, somente para ouvir essa voz. O adorador faz isso, para tudo pra ouvir Sua instrução, até que Ele fale, ou que o entrega a palavra para pessoas famintas por direção. A sensação é algo incomparável, ninguém nunca sentiu coisa melhor do que estar na presença do Senhor. É algo que invade o seu íntimo, que te preenche com um amor, com uma cumplicidade, com uma satisfação que ninguém mais teria esse poder.
O amor entre duas pessoas é algo que acho mais bonito na face da terra, a intimidade entre os casais. O relacionamento sexual é cumplicidade, renovação de aliança, alimento e água para a alma; o orgasmo o clímax dessa intimidade, um gesto de liberdade, amor e laço entre as pessoas que se amam. Mas posso dizer com toda certeza que sentir a presença do Senhor, falando aos nossos ouvidos, nos invadindo e perscrutando e constrangendo as nossas entranhas, tudo isso é melhor do que esse amor entre casais, melhor do que o clímax dessa intimidade.
Há uns dias atrás estava dirigindo em plena estrada indo de uma cidade a outra, e o Espírito Santo me visitou de tal maneira que comecei a chorar. Ele começa a ministrar em nossos corações que fica inevitável não sentir seu amor, seu interesse em ter intimidade com os homens. Podem me falar o que for, que Deus é um Deus distante, injusto e frio ao perceber todo o sofrimento do mundo e não fazer nada, mas uma coisa não tiram de mim, as lembranças dessas sensações, a lembrança dessa intimidade, desse amor que me envolve quando Ele nos visita. Isso é algo maravilhoso!
Um tempo atrás um irmão fez um comentário e me disse:
- A cruz não é um símbolo em que devemos usar, ela é instrumento de morte.
Quem que perderia um filho e usaria a arma que matou seu filho pendurada num cordão, amarrada no pescoço?
Eu respondi que não usaria. Eu respondi com sinceridade, porque na verdade nunca tive coragem de usar uma cruz no meu pescoço, a cruz vazada, ou a cruz vazia, como símbolo de que Ele ressuscitou. A cruz em que ainda está um jesus morto, esquelético e derrotado com certeza não agrada o coração de Deus, porque dá a conotação que a história parou na morte. Mas a cruz vazia nos faz lembrar que houve algo maior e mais tremendo depois da morte. Cruz vazia, símbolo de que Ele venceu a morte; mesmo a cruz vazia nunca usei.
E nesse dia em que estava na estrada, num caminho para liberdade, sempre digo que dirigir é como ganhar asas, pois voamos de um lugar ao outro; e se nesse caminho vamos ouvindo louvor, canções que exaltem o nome do Senhor, então a liberdade é completa! E nesse ambiente de adoração Ele então me visitou de maneira poderosa e me disse:
- Eu amo a cruz! Mesmo sendo símbolo da morte do meu filho, ela é símbolo de vida de outros filhos.Ele fez isso por amor!
Eu enviei o Filho porque seria o único que poderia fazer tudo que fez, pois a morte não O venceu, não O reteve. Soltas nesse gesto foram as ânsias da morte.
Então concluo com isso que a cruz não é símbolo de morte, mas de vida. Ela não é motivo de tristeza, mas de alegria, pois assim foi rasgada a cédula de dívida sobre a humanidade. E a morte não teve poder de detê-lo. Para homens naturais que somos parece loucura, parece contraditório, paradoxal, uma sentença que contradiz a intuição comum. Mas para os que conhecem que a loucura de Deus é mais sábia que todos nós juntos, então posso declarar com toda certeza que a cruz é motivo de alegria e de festa.
E assim remetomo- nos á passagem em que fala da atitude de Pedro diante da morte de Jesus:
“Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia. E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso.”  Mateus 16:21-22
Mas Jesus de maneira nenhuma se deixou persuadir, pois sabia que na visão natural homem nenhum entende, pois contemplamos pela carne, olhamos com olhos mortais, pensamos na morte como um fim, mas Jesus vê a morte como um meio.
Jesus sabia o que estava por trás desse apelo e repreendeu aquele que lançou escândalo no coração de Pedro:
“Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens.”  Mateus 16:23
E termino esse texto também nos remetendo á passagem das virgens prudentes, as que tinham óleo, azeite suficiente para o grande dia, elas tinham nas mãos somente suas lâmpadas com o azeite, as lamparinas com o fogo e o azeite para manter a chama acesa.
Dessa terra nada levaremos, sendo assim, essa preocupação deve ocupar lugar de primazia, termos sempre renovados o óleo sobre nossas cabeças, para chegarmos ao grande dia como noivas dignas de desposarmos com o noivo. E os anjos digam: Aleluia!  Hosanas nas maiores alturas! Ao grande El Shaday








terça-feira, 31 de julho de 2012

"...feriu, e nos atará a ferida." Oséias 6:1




Dia desses tive um sonho que era mais ou menos assim, sonhei que falava com uma irmã:
 Quando se contamina com o espírito de Jezabel a pessoa quase que costuma voltar aos rudimentos do mundo como fazer uma prece á imagens de esculturas, pedir pra aqueles que sabemos que tem boca e não falam, tem mãos, mas não podem salvar.

“Os ídolos dos gentios são prata e ouro, obra das mãos dos homens.
Têm boca, mas não falam; têm olhos, e não vêem,

Têm ouvidos, mas não ouvem, nem há respiro algum nas suas bocas.
Semelhantes a eles se tornem os que os fazem, e todos os que confiam neles.”

Salmos 135:15-18

Mas essa irmã deu um riso debochado e disse:

- Passado a gente tem que esquecer; passado, temos que virar a página e que colocar uma pedra em cima!

Ela queria dizer que o fato de eu estar lembrando-me do passado, que eu estava com mágoas no coração e a palavra nos orienta sempre perdoar uns aos outros.

Após isso veio uma unção, poder e fogo sobre mim e eu fiquei com meu ritmo cardíaco alterado e comecei a falar com toda autoridade:

- Passado com Jesus a gente não esquece, passado com Jesus a gente não vira a página e nem coloca pedra em cima. Passado com Jesus a gente tenta aprender o que Ele quis nos ensinar com isso! Isso é levar as marcas de Cristo!

Na verdade isso quer dizer que essa é a autêntica mensagem da cruz, negarmos a nós e carregarmos a cruz a cada dia, esperar e confiar em Jesus, e saber que se morremos com Cristo, morrendo a cada dia nosso ego, nossos desejos, nossas ambições, também ressuscitaremos, vamos Re viver com Ele, alcançando cada dia a mente de Cristo e sendo cheios do Seu Espírito. E aí não há quem possa contra os que são cheios do Seu Espírito e assim vamos reinar com Ele.

O inimigo das nossas almas tenta o tempo todo nos confundir, nos fazendo acreditar que devemos deixar nossas angústias nas trevas, colocar uma pedra como a do sepulcro e enterrar nossas emoções, na verdade isso nos faz parar, sentar á beira do caminho e perder as forças dos lombos. Jesus nos ensina que devemos buscar a luz e o brilho do Sol da justiça para trazer á tona essas marcas e uma vez que são detectadas, que possam ser tratadas e curadas.  

E pelo que conheço da palavra sabemos que devemos perdoar sim, pois o Senhor nos ensina a perdoar, mas também não temos um botão de click que liga-desliga nossa memória, assim como temos uma memória mental que é algo que lembramos, mas não alteram nossas emoções; temos também uma memória emocional e por isso não podemos apenas “esquecer” o que vivemos nas provações com Jesus. Precisamos passar por um processo de cura interior com Jesus e o conforto do Espírito Santo.

Todos nós precisamos passar por cura, mesmo os mais maduros precisam passar por essa unidade de terapia junto do Espírito Santo.

Todos que passam por provas com o Senhor, no final levam as marcas de Cristo, ou seja, ficam com marcas na alma, pois passam perseguições, enfrentam a fúria do inimigo, enfrentam verdadeiras guerras, passam por desertos, passam pelo fogo, mas em todos esses momentos o Senhor nos assiste, nos conforta e consola e nos sustenta.

A bíblia nos ensina que Ele faz a ferida e Ele cura, então enquanto estamos em momentos difíceis podemos até perder a visão do que se passa, mas Ele nunca perde a visão, não dorme, nem descansa enquanto não nos entrega a vitória.

Vede agora que eu, eu o sou, e mais nenhum deus há além de mim; eu mato, e eu faço viver; eu firo, e eu saro, e ninguém há que escape da minha mão.” Deuteronômio 32:39

E mais á frente Ele então nos mostra o que passamos e como passamos. Faz-nos entender as razões de tantas provas. É como subir uma montanha, nós em baixo calcando essa montanha e Ele em cima tendo uma visão do todo, tendo uma visão do topo e da chegada. A visão do momento da conquista, o momento da alegria de ter vencido o desafio, e de fincar a bandeira. E se estamos na prova com Jesus é porque Ele confia em cada um, que conseguiremos vencer e receber o selo de experiência, autoridade, conhecimento de causa.

Mas ao mesmo tempo em que vida com Jesus é carregar sua cruz e segui-lo, ser golpeado na guerra, chamuscado no fogo; é também conhecer o jugo suave, é conhecer o bálsamo e o óleo que amolece as feridas.

E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele.” Lucas 10:34

Meus irmãos o Senhor faz isso quando é Ele que nos fere, Ele ata-nos as feridas, amolece-as com óleo, derrama o vinho da alegria na alma e nos leva para seu conforto e cuida de cada um de nós. O óleo amolece as feridas facilitando assim a condição de espremê-las, liga-las e atá-las, Ele nos traz a cura, o bálsamo de Gileade.

Muito diferente quando nos afastamos dEle e deixamos que o inimigo nos afronte, nos derrube e nos faça distanciar da presença do Senhor, pois o inimigo é impiedoso e sabe o potencial que somos nas mãos de Deus, por isso tem grande furor contra nós, ficamos em condições deploráveis, como leprosos e mendigos, afastados do arraial que não nos é permitido achegarmos.

Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo.” Isaías 1:6

Retas-nos então prosseguir, nos fortalecer em Sua presença, buscar o escape, e fincar pé e a estaca nEle, nossa bandeira de vitória.

Vinde, e tornemos ao SENHOR, porque ele nos despedaçou, e nos sarará; feriu, e nos atará a ferida.”  Oséias 6:1