quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

“Mas o nobre projeta coisas nobres e na sua nobreza perseverará.”

O homem nasce, cresce, forma seu caráter, reproduz seu pensamento, seu comportamento em seus descendentes, e passa a vida podendo decidir como será seu futuro e seus caminhos.
Muitas vezes vêm às adversidades, as surpresas, isso é do curso normal da vida. Se ele crê em Deus bom pra ele, se não crê o Senhor continua sendo Deus. Mas quando enfim ele reconhece num determinado momento da vida que não tem como permanecer se não se render ao poder daquele que é o único, e quem todo o poder. Esse homem continua tendo dificuldades, adversidades, problemas como qualquer outro, mas ele tem a certeza de estar andando num caminho certo, nobre e puro. E começa a sentir uma paz que muito excede nosso entendimento.
Em todos os textos procuro compartilhar as experiências que tenho com o Senhor, porque a palavra diz que a quem dá liberalmente mais se lhe acrescenta, para que outras pessoas possam conhecer os feitos do Senhor no meio do teu povo. Esses dias tive alguma dificuldade em escrever os textos porque estava tendo um sentimento de inferioridade, isso é comum entre os que servem a Deus, porque o inimigo das nossas almas tenta o tempo todo invalidar nossas experiências, mas aquele que persevera, resiste, consegue então sair debaixo do jugo que tentam colocar sobre nós.
“Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.”
                                                                        Tiago 4:7
Mas esperamos sempre no Senhor, que Ele nos coloque em seu jardim, que venha renovar as forças, e na “viração do dia” nos falar, selar a instrução aos nossos ouvidos.
Estava muito desanimada e sofri na verdade um ataque, como que atingida por setas, o ataque foi tão intenso que tive tonteiras, e um arsenal de guerra foi enviado contra minha auto-estima, uma depreciação, algo muito sério, desenterrando lembranças, momentos de humilhação, algo aterrorizante.
“Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão.”
                                                                                         Isaías 40:31
E é nisso que eu me firmo, é nessa rocha em que me escondo, e busco ser protegida e estar em segurança. Se pra alguns isso é ser alienada, é fuga, tudo bem, mas é assim que todos que conhecem esse refúgio se sentem, felizes, amparados e sustentados por essa força.
Ainda sinto essas sensações, algo como que ficou inflamado dentro de mim, mas eu busco a restauração na palavra. Eu me firmo na rocha que é o Senhor, calço meus pés na preparação do evangelho da paz.
Só quem passa por esses momentos sabe do que estou falando, pois a impressão que dá é que somos esfregados, sacudidos pelo inimigo. E pode haver pessoas que questionem, mas se buscam tanto Senhor, como que o inimigo os afrontam dessa maneira? Basta lembrar-nos de Jesus no deserto, em que Ele sendo Deus, ficou quarenta dias e quarenta noites no deserto em jejum e mesmo assim o inimigo chegou diante da sua face.
“Porventura não há bálsamo em Gileade? Ou não há lá médico? Por que, pois, não se realizou a cura da filha do meu povo?” Jeremias 8:22
E nessa confiança somos restaurados e podemos através desses momentos, ajudar outras pessoas que também passam pelas mesmas dificuldades.
E sempre podemos contar com o escape, com a voz do Senhor nos direcionando e nos fortalecendo. E assim aconteceu comigo, o Senhor veio em meu favor. O meu complexo era algo do passado, o inimigo quis me fazer acreditar que pessoas que eu amo me julgam por atitudes minhas que fiz acreditando que estava obedecendo o Senhor, ele tentou me cegar, até usou uma pessoa de dentro da minha casa pra me afrontar com palavras, e tocou num assunto que estava exatamente sensível naquele momento.
“... os inimigos do homem são os da sua própria casa.” Miquéias 7:6
Mas a fidelidade do Senhor é inquestionável, sua misericórdia, seu cuidado e zelo por aqueles que o buscam.
“O segredo do SENHOR é com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará a sua aliança.” Salmos 25:14
E como diz a palavra o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem ao amanhecer, e eu entendo que nesses momentos enquanto esses sentimentos ficam nas trevas, no escuro, na noite das nossas vidas, não sabemos de onde provém; mas a partir do momento em que o Senhor vem como um amanhecer, aí o coração se alegra, e entendemos as razões daquela angústia, e assim podemos contar então com a cura, com o bálsamo e com o calor dessa luz do amanhecer.
Assim aconteceu comigo quando ele me disse: - Ainda que tenhas errado se glorie em sua fraqueza, pois todos erram e quando tem humildade pra reconhecer essa fraqueza são fortes em mim, pior o que não reconhece suas falhas, e age com arrogância e altivez de espírito. Aquele que é nobre, fale o homem o que for dele, pense o outro o que for, mas esse homem permanece na sua nobreza. Pior são os que ainda nem conhecem o que é nobreza, são vingativos, invejosos e facciosos e só causam confusão.
“Porque também nós éramos noutro tempo insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros.” Tito 3:3
Persevere em sua nobreza, contempla o Senhor, seja forte e corajoso, Ele é contigo. Ainda que venham perseguições, Ele é fiel e nos sustenta!
E assim o Senhor continuou falando comigo: - Se chorastes, se sofreu, se foi ultrajada, humilhada, não interessa; o importante é que prosseguiu, perseverou, tudo fizestes pela nobreza de ver uma vida transformada. De ver um homem e uma mulher se renderem aos pés do Senhor. Nobreza de caráter é quando a pessoa deseja a felicidade do outro, quando abre mão dos seus próprios interesses, dos seus próprios padrões de exigência, em prol de caminhar com alguém que precisa conhecer mais de valores, ter uma visão com maior alcance como águia. Fazer alguém se refinar, se purificar, e conhecer o que é o verdadeiro sentido de colher o melhor desta terra. E como uma expressão que ouvi e achei linda, o bom pastor passa a ter cheiro de ovelhas.
Terás um galardão, chorastes pelo caminho, mas ainda vai colher os feixes com alegria, regozijo, como que embriagada de um vinho de reservas raras, antigas, desde a fundação do mundo, quando tudo foi estabelecido pela multiforme sabedoria do Senhor. Um vinho que pela sua raridade deixa o homem e a mulher num estado de embriaguês que transborda para além de si, um estado que faz fluir ondas que borbulham e te faz perceber que o corpo nossa estrutura física, nossa carne é insuficiente para suportar esse fluir, e começa então a transbordar para ser dividido com outros ao redor de ti, alegria essa que contagia, que é percebida por outras pessoas, a alegria no espírito. Como vasos de barro, odres, que têm que ter um respiradouro para que não se rompa, e nesse respiradouro é liberado e extravasa esse fluir, assim é com o homem e a mulher que suportam o tempo de serem moídos, como foi moído nosso Senhor.
“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;” Mateus 5:10
Nunca desista, olhe adiante, olhe para o autor e consumador de sua fé, prossiga para o alvo. Não assente na beira do caminho, levante sua cabeça, olhe para trás e diga: - Fui aprovado...
“Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé.” 
                                                               2 Timóteo 4:7
E assim poderemos ver o Senhor abrir o mar e nos fazer passar a pés secos, muitas vezes esse mar pode ser nossas dificuldades em entender sobre a vida, sobre determinado assunto e que causam agitação em nosso íntimo, como ondas bravias que batem pra lá e pra cá, e nos fazem sentir inseguros, como os discípulos com Jesus no barco em meio a uma tempestade. Mas quando enfim sai a palavra da boca do Senhor, O mar se aquieta, e ainda quando sai a ordem: - toca o mar! As águas se abrem, se transformam, as circunstâncias de instáveis que nos podem submergir, passam a ser firmes, seguras, de forma que podemos atravessar o mar , firmes, sem vacilar. Como guerreiros que calçam os seus pés e pisam firmes na peleja, na batalha. E se ainda o inimigo nos tentar confundir, amedrontar, serão submergidos, e derrotados e nunca poderão nos importunar. E enfim podemos dançar, tocar instrumentos, festejar; de guerreiros com os pés calçados e firmes de pesados que são, passamos então a ter leveza para bailar e adorar. Delicadeza, ligeireza das corças pra andar nas maiores alturas, entoar canções e engrandecer o nome que está acima de todos os nomes: Jesus, o amado da nossa alma!




Nenhum comentário:

Postar um comentário